Fungos Violin

Postado em Atualizado em

Olá leitores!

Um assunto que vem chamando a minha atenção há alguns meses é o “Fungos Violin” (Violino de fungo) como ficou conhecido mundialmente o estudo que propôs que o segredo do lendário violino Stradivarius seria um tipo de fungo que teria infectado as madeiras utilizadas pelo luthier Antonio Stradivari séculos atrás. Por isso resolvi fazer este post para poder passar para vocês um pouco da informação que consegui reunir até hoje:

Imagine você jovem ou experiente violinista poder comprar um violino com o som igual ou melhor ao do Stradivarius, uma utopia? Agora imagine você pagar uma bagatela de R$ 10 mil por este instrumento (Sim, bagatela se levarmos em consideração que alguns Stradivarios foram vendidos por R$ 8 milhões ou mais em leilões). Loucura? Há três ou quatro anos todos me diriam que sim. Porém graças aos avanços tecnológicos como a tomografia computadorizada e a uma técnica um tanto quanto inusitada de tratar a madeira com fungos, isso está muito próximo da realidade.

A fabricação do fungos violin consiste em duas etapas; primeiro a madeira usada será infectada  por fungos durante um determinado tempo (mais ou menos 9 meses). O fungo utilizado no tratamento da madeira é o Physisporinus vitreus, um fungo branco encontrado em matérias orgânicas em decomposição.

Madeira em processo de tratamento com fungos.
Madeira em processo de tratamento com fungos.

Em seguida será utilizada a tomografia computadorizada axial que copia com a maior precisão possível a forma e a estrutura de um Stradivarius e então, reproduz o instrumento com auxílio de um computador.

Foi escaneado um Stradivarius de 1704 por meio da tomografia computadorizada axial, com 64 detectores, o que gerou mais de mil imagens em 3D. Essas imagens foram lidas por um computador que comanda um sistema de controle, e que reproduziu uma cópia de alta precisão por meio da impressão em 3D.

Violino Stradivarius é recriado com tomografia computadorizada
Violino Stradivarius é recriado com tomografia computadorizada

Para os testes, foram fabricadas 4 cópias de um Stradivarius, sendo duas delas feitas com madeira infectada e duas com madeira do mesmo tipo, porém sem o tratamento dos fungos. o mais perfeito dos clones foi chamado de Opus 58. Durante um teste cego em que não era revelado aos jurados o instrumento que estava sendo tocado, o Opus 58 foi eleito o melhor violino dentre outros que participaram, superando até mesmo o Stradivarius.

O júri que elegeu vencedor o clone  era formado por 200 juízes de alto nível e uma platéia de 180 especialistas dentre músicos e pesquisadores. destes jurados, 90 escolheram o Opus 58 como o melhor som e 39 optaram pelo som do Stradivarius.

O segredo do Stradivarius no entanto, seria o fato de que do período de 1645 a 1715, a Europa Central viveu a chamada Pequena Era Glacial, um a época de longos invernos, o que fez as árvores crescerem de uma forma lenta e uniforme, melhorando assim a qualidade da madeira. Cientistas acreditam que o o fungo Physisporinus vitreus tem uma ação semelhante ao das mudanças climáticas da Pequena Era Glacial.

O que espero ansiosamente agora e imagino que todos vocês também, é que violinos como o Opus 58 sejam produzido em uma escala comercial para que possamos com algum esforço finalmente ter acesso à essa excelência sonora.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s